Estado deve ter 3ª maior safrinha do Brasil com alta de 49,5%

Boas condições climáticas favorecem desenvolvimento do milho


 
Conab prevê 9,47 milhões de toneladas do grão neste ano - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado. Conab prevê 9,47 milhões de toneladas do grão neste ano - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado.

Milho safrinha produzido em Mato Grosso do Sul deve alcançar 9,47 milhões de toneladas na safra 2018/2019, levando o Estado a registrar a segunda maior produção do grão nos últimos cinco anos e a terceira maior de milho segunda safra do País neste ciclo, de acordo com o 8º Levantamento da Safra de Grãos, divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

No comparativo com o ciclo anterior, quando foram produzidos no Estado 6,33 milhões de toneladas, o crescimento do milho safrinha chega a 49,5%, estimulado pela antecipação da colheita da soja e pela possibilidade do aproveitamento integral da janela climática nas principais regiões produtoras do País, segundo o estudo.

Quando considerada a evolução da produção do milho safrinha em Mato Grosso do Sul nas últimas seis safras, a estimativa da atual produção deve superar a de 2014/2015 (9,28 milhões de toneladas) e ficar atrás somente do montante produzido no ciclo 2016/2017, que alcançou 9,87 milhões de toneladas.

Com esta projeção de 9,47 milhões de toneladas, a produção de milho safrinha de Mato Grosso do Sul é a terceira maior por estado, atrás apenas do Paraná (12,79 milhões de toneladas) e de Mato Grosso (29,50 milhões de toneladas).

Ainda conforme o levantamento da Conab, a área plantada do cereal em Mato Grosso do Sul também teve crescimento (7,6%) e a extensão das lavouras de milho passou de 1,72 milhão de hectares para 1,85 milhão de hectares. Quanto à produtividade, a Conab projeta expansão de 38,9% sobre a safra passada, passando de 3.685 quilos por hectare para 5.120 quilos por hectare.

A produção total de grãos estimada para o Estado nesta safra é de 18,4 milhões de toneladas, o que representa avanço de 12,5% em relação ao ciclo anterior, de 16,4 milhões de toneladas. Quanto à área total plantada, a projeção é de 4,86 milhões de hectares, extensão 6,9% maior que a da safra 2017/2018 (4,54 milhões de hectares). Para a produtividade, é esperado aumento de 5,2% e o índice deve passar de 3.680 quilos por hectare para 3.795 quilos por hectare.

SOJA

Apesar da expansão de 6,8% na área plantada em Mato Grosso do Sul (de 2,67 milhões para 2,85 milhões de hectares), a cultura de soja teve queda de 11,4% na produção em relação à safra anterior. O volume produzido foi estimado em 8,5 milhões de toneladas, contra 9,6 milhões de toneladas no ciclo passado. No caso da produtividade, o recuo é ainda mais expressivo e o índice foi de 3.593 quilos por hectare para 2.980 quilos por hectare (-17,1%).

No País, quando comparada à safra passada, que foi recorde, a estimativa para a produção de soja neste ciclo é inferior em 4,2%, mesmo assim esta é a segunda maior safra de soja da série histórica da Conab. Na produção agrícola atual, houve redução na produtividade, ocasionada por adversidades climáticas severas em importantes estados produtores, como Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Paraná, quando comparada à excelente produtividade da safra passada.

Ainda assim, as lavouras com espécies de ciclo médio e tardio foram menos impactadas por essas intempéries climáticas e isso suavizou a previsão de diminuição do rendimento médio.

**10/05/2019 - Correio do Estado

Envie seu Comentário