Advogada encontrada morta em fazenda pode ter sido assassinada

A Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo esteve na fazenda Santa Marcia, na região do Mutum, onde foi encontrado o corpo da advogada Marcia Melo


 
Por conta da suspeita de homicídio, será feito exames residuais nas mãos da vítima (Foto:Reprodução) Por conta da suspeita de homicídio, será feito exames residuais nas mãos da vítima (Foto:Reprodução)

De acordo com as primeiras informações, ela teria chegado ao local na sexta-feira e entrou no quarto para descansar. Ela não foi vista no sábado e alguns funcionários da propriedade acharam estranho, porém como ela tomava remédio controlado imaginaram que ela estivesse descansado.

Na manhã de hoje (domingo) um forte odor tomou conta do interior do imóvel e, por conta disso funcionários foram ao aposento da advogada e encontraram deitada, com o corpo inchado, indicando que a morte poderia ter ocorrido na sexta-feira.

A polícia Civil e Militar de Ribas do Rio Pardo foram acionadas e se dirigiram ao local, distante aproximadamente 65 quilômetros da cidade. No quarto do imóvel encontraram o corpo com perfuração de arma de fogo na região da cabeça. Uma arma estava sobre a cama.

A SUSPEITA

Por se tratar de suspeita de homicídios, equipe da Perícia Técnica da Polícia Civil de Campo Grande foi acionada para fazer os levantamentos do local, a fim de embasar as investigações. Após feita a perícia, por volta das 19hs30 horas o corpo foi levado para o IML de Campo Grande para ser periciado. Segundo informações de um policial que acompanhou os procedimentos, a arma que foi encontrada é de baixo calibre, provavelmente um revólver 22 ou 32.

Por conta da suspeita de homicídio, será feito exames residuais nas mãos da vítima par a ver a possibilidade de encontrar resíduos de pólvora, que nesse caso configuraria um provável suicídio. Além disso, o delegado de Ribas do Rio Pardo, que esteve na propriedade rural colheu informações com funcionários e familiares da vítima. A reportagem do Perfil News tentou entrar em contato com o delegado, porém o plantonista da delegacia disse que o policial não iria prestar nenhuma declaração e que ele estava desautorizado a falar com a imprensa.

O Perfil News apurou ainda que a vítima andava meio depressiva em decorrência de vários problemas, inclusive familiares. Segundo consta ela teria prestado queixa na delegacia por conta dessa situação.

O corpo da advogada está na capital do Estado e após concluídos os exames periciais, será trasladado para Três Lagoas para sepultamento.

Fonte: Perfil News*

Envie seu Comentário