Presos em operação assistiam vídeos de estupros de crianças por até 13h

Dois dias depois de sair da prisão, Roberson matou a jovem de 18 anos, há 38 dias. Ele teve a prisão decretada, mas ainda não foi localizado


 
HD's e outros dispositivos eletrônicos apreendidos durante operação (Foto: Marcos Ermínio)
HD's e outros dispositivos eletrônicos apreendidos durante operação (Foto: Marcos Ermínio)

Presos na megaoperação Luz da Infância em Campo Grande passavam até 13h vendo vídeos de pornografia infantil. Com crianças das mais variadas idades, o conteúdo que foi recuperado pela polícia foi caracterizado como "pesado" pela delegada que está a frente das investigações Marília de Brito Martins.

Em 24 Estados e no Distrito Federal, a Polícia Civil saiu as ruas na sexta-feira (20) em busca de provas contra uma rede nacional de compartilhamento de pornografia infantil. Na Capital, um advogado de 64 anos e um vendedor de 27 anos foram presos.

Conforme a delegada da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), os horários variavam pelo local de acesso dos suspeitos. "Enquanto o advogado acessava mais durante o dia, pelo escritório, o vendedor via o conteúdo de madrugada", detalha.

Todo material apreendido, como computadores e outros dispositivos eletrônicos, que permitiam o armazenamento do conteúdo já está na nas mãos de peritos. "Técnicos de informática nos auxiliaram durante a operação, e conseguimos recuperar pelo menos 60% do material que acessado pelos suspeitos", afirma Marília.

Ainda segunda ela, o conteúdo visto era "pesado", pois envolvia crianças de variadas idades que praticavam diferentes formas de sexo. "No primeiro momento o advogado permaneceu em silencia, mas durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão ele acabou confessando que acessa o conteúdo. Já o vendedor alega que baixava pornografia, mas não tinha conhecimento que junto estavam vídeos com crianças".

O próximo passo é ouvir pessoas próximas e relatar todo material apreendido para a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) que coordenou as ações a nível nacional.

 
Delegada Marília de Brito Martins (Foto: Marcos Ermínio)
Delegada Marília de Brito Martins (Foto: Marcos Ermínio)

Operação – Pelo menos 90 pessoas foram presas em todo Brasil. Em Campo Grande, a força-tarefa cumpriu três mandados de busca e apreensão em endereços residenciais no Jardim Noroeste e Guanandi e em um escritório de advocacia na Vila Rosa Piras, região do Itanhangá, um bairro nobre da Capital.

"Trata-se de uma rede de compartilhamento de imagens. E para entrar nessa rede, a pessoa já tem que ter um material a disponibilizar", explicou o delegado Paulo Sérgio Lauretto, em coletiva na sexta-feira.

Advogado e vendedor passaram por audiência de custódia hoje (23) e tiveram as prisões em flagrante convertidas em preventiva, ou seja, sem data para terminar.

23/10/2017 14h22 - Cg. News

Envie seu Comentário