Águas turvas prejudicam ecoturismo em Bonito

Empresários estão preocupados com impacto social na geração de empregos


 
Como ficou o Recanto Ecológico do Rio da Prata após a chuva - Foto: Reprodução / Facebook Como ficou o Recanto Ecológico do Rio da Prata após a chuva - Foto: Reprodução / Facebook

O avanço da lama sobre as águas cristalinas dos rios de Bonito e Jardim, no mês de novembro, trouxe alerta à indústria do ecoturismo na região. O maior atrativo dos visitantes que passam pelas cidades foi ameaçado pelo avanço do agronegócio, o desmatamento ilegal nas margens dos rios, a falta de drenagem nas estradas e os drenos nas nascentes.

A chuva que antecedeu o feriado da Proclamação da República (celebrado dia 15 de novembro) trouxe um prejuízo de, pelo menos, R$ 15 mil para a proprietária do Balneário do Assis, localizado em Jardim, Henriqueta Scherer, 66 anos. O local, que é banhado pelo Rio da Prata, recebe cerca de 250 pessoas por fim de semana e permaneceu fechado durante três, ou seja, sem visitação. Apenas nesta semana, a água, que ainda está turva, começou a ficar limpa e voltar a ser igual às imagens de cartão-postal.

Ela conta que o pai, seu Assis, comprou a fazenda em 1965 e, desde 1997, ela começou a administrar. "São três fins de semana sem poder trabalhar, em consequência da lama que desceu no rio. Prejuízo grande. É desalentador, triste demais. Tenho o maior respeito e cuidado com o meio ambiente", lamentou. Segundo Henriqueta, cinco funcionários dependem dela.

**05/12/2018 - Correio do Estado

Envie seu Comentário