16/10/2013 04h00 - Atualizado em 16/10/2013 04h00

O impressionante efeito do veneno de cobra no sangue humano: vídeo

 
 

Um vídeo que mostra os efeitos imediatos no sangue humano ocasionados pelo veneno da cobra conhecida como víbora de Russel (Daboia russelii) está fazendo sucesso na internet.

Produzido na Índia, o filme possui pouco mais de um minuto e é narrado em inglês, com uma dublagem em russo por cima. Apesar da dificuldade em entender o que é dito pelas pessoas, os internautas parecem ter gostado do que as imagens mostram. Desde que foi postado, na metade do ano, o vídeo já recebeu mais de 10,8 milhões de visualizações.

O pesquisador é filmado retirando o veneno da cobra, muito comum naquela região do mundo, e transferindo pequenas gotas para um recipiente que contém uma amostra de sangue humano. Em pouquíssimos instantes, o sangue coagula e passa a ter um aspecto de gelatina. Pelas imagens, impressiona a rapidez com que o processo de coagulação acontece, assim como a aparência totalmente incomum que o sangue humano adquire.

A espécie é responsável por causar diversas mortes na Índia devido à sua grande presença em áreas bastante populosas do país. Acredita-se que a quantidade de veneno mostrada no vídeo é o suficiente para matar uma pessoa.

Confira abaixo o vídeo. Infelizmente, a tradução de legendas nesse caso não ajuda em nada na compreensão do que está sendo dito.

 
 

Segundo o médico húngaro György Böhm, que desde 1947 vive no Brasil e desde 1977 é professor na Faculdade de Medicina da USP, o sangue flui em nossas veias em delicado estado de equilíbrio: não deve coagular à toa e nem pode ser incoagulável. “O veneno das serpentes perturbam esse equilíbrio e têm poder coagulante e hemorrágico ao mesmo tempo. Desencadeiam a coagulação do sangue na microcirculação, bloqueando o fluxo sanguíneo e dificultando a oxigenação de certos tecidos, como o renal, por exemplo”, explica Böhm.

Com o decorrer do tempo, as enzimas tóxicas das cobras atuam sobre a fibrina – uma proteína fundamental para se fazer um coágulo –, diminuindo sua quantidade e prejudicando sua qualidade. Logo, começam impedir a coagulação do sangue que corre nos vasos do corpo. “Isto sem desfazer os coágulos que causaram na microcirculação”, lembra Böhm. “O cenário está pronto para as hemorragias, que podem ocorrer nas mais diversas partes do corpo através dos vasos lesados, e que continuam sem cessar por causa da ação anticoagulante dos venenos”.

HypeScience
Lincoln Weiss

Envie seu Comentário

Editorias

Brasil & Mundo
Política
Esportes
Rural
Policial
Economia
Tecnologia
Artigos
Saúde

Municípios

Água Clara
Aral Moreira
Bataguassu
Brasilândia
Campo Grande
Chapadão do Sul
Corumbá
Dourados
Nova Alvorada do Sul
Ponta Porã
Ribas do Rio Pardo
Santa Rita do Pardo
Três Lagoas

Colunistas

Bastidores Políticos
Digestivo Cultural
Palavras
Se me deixam falar
Crônica

Mais

Concursos&Empregos
Cultura
Educação
Entretenimento
Eventos
Festas
Trânsito
Ultimas Notícias

Sobre Nós

Expediente
Anuncie
Contato